Clique para a página principal

Re: Samba em cool jazz

Lista de discussão sobre samba e choro, estilos musicais brasileiros.
 Página principal » Tribuna Livre » Arquivo das mensagens » Indice mensal
Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Autor: Daniel Brazil (dbrazil_at_ig.com.br)
Data: Ter 16 Set 2003 - 14:09:12 BRT

    Mais um assunto instigante adia aquele papo sobre poesia e letra de
música. Ótimo, assim a gente não enjoa!
Já li várias entrevistas com músicos de jazz e há uma opinião quase unânime:
A bossa nova foi a maior contribuição estrangeira à linguagem do jazz.
    Praticamente todos os grandes nomes do jazz tocaram, em algum momento,
bossa nova, com diferentes níveis de leitura. Alguns incorporaram
definitivamente o estilo ao seu repertório, outros flertaram por algum
tempo, muitos compuseram "bossas". De Dave Brubeck a Dizzy Gillespie, de
Miles Davis a Oscar Peterson, a levada brasileira, sincopada e sutil da
bossa nova deixou marcas na história da mais refinada música popular que se
fez no mundo, no século XX. Não à toa, Tom Jobim e João Gilberto são
considerados grandes da música, sem fronteiras.
    Na verdade, fecha-se um circuito. O samba original, alimentado por
harmonias e instrumentação "jazzísticas", gera a bossa nova, que por sua vez
influencia fortemente o jazz mundial dos anos 60 até hoje.
    Tudo bem, pode-se optar pelo samba "puro", preferir mesmo. Mas desprezar
a importância deste intercâmbio musical entre culturas musicais riquíssimas
é fechar os olhos para a História. Ou tapar os ouvidos. E, convenhamos, o
jazz não é o produto comercial mais vendável que os EUA tentam impingir ao
mundo. O que as grandes gravadoras empurram é o lixo pop mesmo, a sub-música
industrializada, o roquinho de video-clip. Os bons músicos de jazz,
admiradores também da boa música brasileira, também detestam esse tipo de
coisa. Não por acaso, a capa da revista Jazz+ destaca uma frase do
saxofonista Joe Lovano: "A música pop corrompe as idéias".
    Enfim, o capital não tem fronteiras, a classe operária é internacional,
e a boa música também dispensa a geografia. Músicos de todo o mundo,
uni-vos, mas respeitai as diferenças!

Daniel Brazil

(O "quase unânime" lá de cima se deve à influência afro/latino/cubana,
também muito marcante no jazz).

_______________________________________________
Para CANCELAR sua assinatura:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/cancela
Para ASSINAR esta lista:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/assina
Antes de escrever, leia as regras de ETIQUETA:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/netiqueta

Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Este arquivo foi gerado por hypermail 2.1.4 : Ter 16 Set 2003 - 14:09:39 BRT