Clique para a página principal

Re: Re: Gosto e Poesia

Lista de discussão sobre samba e choro, estilos musicais brasileiros.
 Página principal » Tribuna Livre » Arquivo das mensagens » Indice mensal
Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Autor: Alberto R. Cavalcanti (arcav_at_brturbo.com)
Data: Qua 10 Set 2003 - 02:15:48 BRT

Olá, Daniel

Você escreveu: "Lembra de um soneto que o Chico
musicou, em um de seus primeiros discos? Provavelmente não. Eu também
esqueci. Como canção, não funcionava bem. Literária demais".

Seria o "Funeral de um Lavrador"? "Esta cova em que estás, com palmos
medida, é a conta menor que tiraste em vida". Se é essa, trata-se de
trabalho feito para o teatro, a encenação de "Morte e Vida Severina", de
João Cabral de Melo Neto. Funcionou muito bem no palco. "Morte e Vida..."
ganhou prêmios por toda a parte.

As canções de Schubert que eu tenho aqui em casa não têm gargarejos nem
essas vogais prolongadas por várias notas, de que v. fala. A música é muito
respeitosa com os textos, bem moderna nesse casamento (coisa que se costuma
gabar nela), ainda que num estilo musical de 180 anos atrás, mas não é fria
nem, muito menos, gélida. Talvez v. tenha pensado em algum outro autor. Seja
como for, Goethe e os outros poetas musicados por Schubert estavam vivos à
época e não reclamaram.

Abraço

Alberto
de Brasília, DF

Em Tuesday, September 09, 2003 5:38 PM, Daniel contestou

Recentemente discuti o mesmo assunto com outro interlocutor, professor de
literatura. Opinião do cara: "Ambas organizam as orações segundo um modelo
musical mas a poesia vai muito além disso, enquanto a poesia incorpora o
corte musical, o visual, o de tempo de respiração do leitor, o dos jogos
lógicos que o corte permite, a letra é sempre submissa à música, dependente
da música, só conhece um tipo de corte."

Esta caracterização de intenção acho que é o pulo do gato dos grandes
letristas. Eles não escrevem um "poema literário", e depois pensam em
musicá-lo. Creio que é isso que Chico Buarque quer dizer, quando diz que
nunca escreveu poesia. Ele pensa em letra de música, desde o início.

E o ritmo, o andamento? A letra conta com a ajuda do cantor para espremer e
esticar vogais e versos, pode recorrer ao laialaiáá sem prejuízo algum,
enfim, pode apostar todas as fichas num verso regular com rima tônica no
final que dará tudo certo. Es são essas as canções de fatura mais perfeita,
e não as empoladas, aspirantes à Academia. Lembra de um soneto que o Chico
musicou, em um de seus primeiros discos? Provavelmente não. Eu também
esqueci. Como canção, não funcionava bem. Literária demais

Quanto aos lieds de Schubert... Bem, há quem goste do gênero, mas é o oposto
da nossa canção popular, ritmada, encaixadinha, sincopada, enérgica. São
lindos mas frios, gelados. E o fato do cantor sustentar uma vogal por vários
segundos, ornamentando com glissandos e coloraturas, é anti-poesia. Aquilo é
música pura. Ninguém lê daquela forma o poema como foi escrito. O autor não
escreveu assim, certo?

_______________________________________________
Para CANCELAR sua assinatura:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/cancela
Para ASSINAR esta lista:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/assina
Antes de escrever, leia as regras de ETIQUETA:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/netiqueta

Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Este arquivo foi gerado por hypermail 2.1.4 : Qua 10 Set 2003 - 02:10:40 BRT