Clique para a página principal

Re: Re: Gosto e Poesia

Lista de discussão sobre samba e choro, estilos musicais brasileiros.
 Página principal » Tribuna Livre » Arquivo das mensagens » Indice mensal
Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Autor: Daniel Brazil (dbrazil_at_ig.com.br)
Data: Ter 09 Set 2003 - 17:38:21 BRT

Grande Alberto:

Novamente, tua resposta é uma aula. Vou pinçar maliciosamente um pequeno
trecho, que sintetiza muito do que penso sobre a questão:
"A letra da canção popular tem que ser ligeira, obrigação que a poesia
literária não tem".

Percebeu a malandragem, certo? Mas não vou usá-la agora. Antes vou caminhar
mais um pouco na "neblina densa". Acredito mesmo que a a poesia escrita
descende da poesia cantada, ou seja, primeiro fomos cantores, cantávamos
dores, deuses, medos, colheitas e batalhas. Criar versos foi um truque
mnemônico fundamental para que palavras fossem agrupadas de determinada
maneira. Muito depois, isso virou poesia escrita, como você bem apontou. E é
aí que passou a ser outra coisa, o novo suporte interferiu nas
características do conteúdo (meio e mensagem, aquele papo antigo).

Recentemente discuti o mesmo assunto com outro interlocutor, professor de
literatura. Opinião do cara: "Ambas organizam as orações segundo um modelo
musical mas a poesia vai muito além disso, enquanto a poesia incorpora o
corte musical, o visual, o de tempo de respiração do leitor, o dos jogos
lógicos que o corte permite, a letra é sempre submissa à música, dependente
da música, só conhece um tipo de corte."

Esta caracterização de intenção acho que é o pulo do gato dos grandes
letristas. Eles não escrevem um "poema literário", e depois pensam em
musicá-lo. Creio que é isso que Chico Buarque quer dizer, quando diz que
nunca escreveu poesia. Ele pensa em letra de música, desde o início.

E o ritmo, o andamento? A letra conta com a ajuda do cantor para espremer e
esticar vogais e versos, pode recorrer ao laialaiáá sem prejuízo algum,
enfim, pode apostar todas as fichas num verso regular com rima tônica no
final que dará tudo certo. Es são essas as canções de fatura mais perfeita,
e não as empoladas, aspirantes à Academia. Lembra de um soneto que o Chico
musicou, em um de seus primeiros discos? Provavelmente não. Eu também
esqueci. Como canção, não funcionava bem. Literária demais

Quanto aos lieds de Schubert... Bem, há quem goste do gênero, mas é o oposto
da nossa canção popular, ritmada, encaixadinha, sincopada, enérgica. São
lindos mas frios, gelados. E o fato do cantor sustentar uma vogal por vários
segundos, ornamentando com glissandos e coloraturas, é anti-poesia. Aquilo é
música pura. Ninguém lê daquela forma o poema como foi escrito. O autor não
escreveu assim, certo?

Mas alguns exemplo teus, mais próximos, deixam a questão mais calorosa,
tropical. Voltarei a eles, os letristas brasileiros, com mais tempo.

Abraço!

Daniel Brazil

_______________________________________________
Para CANCELAR sua assinatura:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/cancela
Para ASSINAR esta lista:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/assina
Antes de escrever, leia as regras de ETIQUETA:
        http://www.samba-choro.com.br/tribuna/netiqueta

Nova mensagem Responder Mensagens por data Mensagens por discussão Mensagens por assunto Mensagens por autor

Este arquivo foi gerado por hypermail 2.1.4 : Ter 09 Set 2003 - 17:45:32 BRT