Samba & Choro Artistas Paulinho da Viola >Próximo: Pixinguinha

Paulinho da Viola

[Página Principal] | [Rio de Janeiro] | [Artistas] | [Tribuna Livre] | [Partituras] | [Pelo Brasil] | [Perguntas] | [Outras Informações] | [Discos do Mês] | [Sem Frames] | [Com Frames]

Músicas - Discografia - Pixinguinha

PaulinhoPaulo César de Farias, o Paulinho da Viola é um dos grandes nomes da música popular brasileira de todos os tempos. Filho de Cesar Farias, músico do grupo de choro Época de Ouro, já traz o gosto pela música do berço presenciando durante sua infância rodas músicos da primeira linha da MPB. Paulinho consegue ao mesmo tempo ser um excelente instrumentista, um compositor genial e um sensível poeta.

Uma característica marcante de Paulinho da Viola é sua capacidade de ser inovador e tradicional ao mesmo tempo. Seus sambas e choros trazem invações melódicas e harmônicas, sempre desenvolvendo e modernizando e evitando que estes gêneros fiquem congelados no tempo.Paulinho tem por costume gravar em seus discos músicas de nomes às vezes esquecidos do samba como Silas de Oliveira e Wilson Batista, assim como de de novos compositores. Seu convite para que o grupo Época de Ouro participasse de seu show Sarau na década de 70, transformou o Choro novamente em mania nacional. Chegaram a acontecer até festivais na televisão. Sempre tomou iniciativas para resgatar o melhor da música brasileira, desde fundar um escola de samba não competitiva a hoje em dia promover shows de Choro em uma casa noturna do Rio de Janeiro.

Sua música fala do dia a dia das pessoas com uma poesia toda especial. Gravou músicas falando de ecologia antes do assunto virar moda. Teve várias outras censuradas durante a ditadura militar. Um dos poucos artistas que fazem uma elegia da negritude brasileira. Compôs sambas como "Foi um Rio que Passou em minha Vida" e "Sei Lá, Mangueira" que viraram hinos de escolas de Samba. Paulinho da Viola é um artista único, indubtavelmente um dos maiores nomes da história da MPB. Sua elegância se deve não apenas por seu extraordinário talento e sofisticação musical, como também por sua postura e caráter.


__________________________________________________________

Músicas

Se você pretende baixar as músicas tenha paciência, este negócio de som na internet ainda é bastante limitado

Dança da Solidão (Paulinho da Viola) Álbum : Dança da Solidão 1972
Canta : Paulinho da Viola Amostra [wav] 730K
Solidão é lava que cobre tudo
Amargura em minha boca
Sorri seus dentes de chumbo
Solidão, palavra cavada no coração
Resignado e mudo no compasso da desilusão

Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança voce na dança da solidão (bis)

Camélia ficou viúva
Joana se apaixonou
Maria tentou a morte por causa de seu amor
Meu pai sempre me dizia :
Meu filho tome cuidado,
Quando eu penso no futuro não esqueço meu passado

Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança voce na dança da solidão (bis)

Quando chega a madrugada,
Meu pensamento vagueia
Corro os dedos na viola
Contemplando a lua cheia
Apesar de tudo existe uma fonte de água pura
Quem beber daquela água não terá mais amargura

Desilusão, desilusão,
Danço eu, dança voce na dança da solidão (bis)

 

topo

Choro Negro (Paulinho da Viola) Album : Nervos de Aço 1973
Instrumental Amostra [wav] 509K

topo

Onde A Dor Não Tem Razão
(Elton Medeiros-Paulinho da Viola)
Album : Paulinho da Viola 1981
Canta : Paulinho da Viola Amostra [wav] 1040K
Canto
Para dizer que no meu coração
Já não mais se agitam as ondas de uma paixão
Ele não é mais abrigo de amores perdidos
É um lago mais tranquilo
Onde a dor não tem razão

Nele a semente de um novo amor nasceu
Livre de todo rancor, em flor se abriu
Venho reabrir as janelas da vida
E cantar como jamais cantei
Esta felicidade ainda

Quem esperou, como eu, por um novo carinho
E viveu tão sozinho
Tem que agradecer
Quando consegue do peito tirar um espinho
É que a velha esperança
Já não pode morrer

topo

Coisas do Mundo, Minha Nega (Paulinho da Viola) Álbum : Paulinho da Viola - 1978
Canta : Paulinho da Viola Amostra [wav] 948K
Hoje eu vim minha nega
Como venho quando posso
Na boca as mesmas palavras
No peito o mesmo remorso
Nas mãos a mesma viola onde gravei o teu nome (bis)

Venho do Samba há tempo, nega
Venho parando por ai
Primeiro achei Zé Fuleiro que me falou de doença
Que a sorte nunca lhe chega
Que está sem amor e sem dinheiro
Perguntou se não dispunha de algum que pudesse dar
Puxei então da viola
Cantei um Samba para ele
Foi um Samba sincopado
Que zombou de seu azar

Hoje eu vim, minha nega
Andar contigo no espaço
tentar fazer em teus braços um Samba puro de amor
Sem melodia ou palavra para não perder o valor (bis)

Depois encontrei seu Bento, nega
Que bebeu a noite inteira
Estirou-se na calçada
Sem ter vontade qualquer
Esqueceu do compromisso que assumiu com a mulher
Não chegar de madrugada
e não beber mais cachaça
Ela fez até promessa
Pagou e se arrependeu
Cantei um Samba para ele que sorriu e adormeceu

Hoje eu vim, minha nega
Querendo aquele sorriso
Que tu entregas para o céu
Quando eu te aperto em meus braços
Guarda bem minha viola, meu amor e meu cansaço (BIS)

Por fim achei um corpo, nega
Iluminado ao redor
Disseram que foi bobagem
Um queria ser melhor
Não foi amor nem dinheiro a causa da discussão
Foi apenas um pandeiro
Que depois ficou no chão
Não tirei minha viola
Parei, olhei, fui-me embora
Ninguem compreenderia um Samba naquela hora

Hoje eu vim, minha nega
Sem saber nada da vida
Querendo aprender contigo a forma de se viver
As coisas estão no mundo só que eu preciso aprender (bis)

topo

__________________________________________________________

Discografia

Capa do Disco

Roda de Samba
Data Lançamento : 1965
Gravadora : Musidisc

Conjunto A Voz do Morro (Paulinho, Elton Medeiros, Zé Keti, Nelson Sargento, Anescarzinho , Jair Costa, José da Cruz)
Comentários : Lançado em CD.

 


Roda de Samba vol. 2
Data Lançamento : 1966
Gravadora : Musidisc

Conjunto A Voz do Morro
Comentário : Nunca lançado em CD.


Roda de Samba vol. 3
Data Lançamento : 1967
Gravadora : RCA

Conjunto A Voz do Morro
Comentário : Nunca lançado em CD.


Capa do Disco

Samba na Madrugada
Data Lançamento : 19??
Gravadora : RGE

Paulinho da Viola e Elton Medeiros
Comentário : Lançado em CD. Paulinho divide meio a meio o disco e algumas músicas com seu até hoje parceiro Elton Medeiros. Tem algumas músicas razoavelmente conhecidas como "14 Anos" que chegou a ser regravada pela Nara Leão e pelo Jards Macalé.


Capa do Disco

Paulinho da Viola
Data Lançamento : 1968
Gravadora : EMI

Comentário : EMI acabou de lançar em CD, com a capa original e remasterizado em Abbey Road. Primeiro disco solo do Paulinho. Neste disco Paulinho grava algumas de suas primeiras composições como a bela "Coisas do Mundo, Minha Nega", que foi muito mal defendida por Jair Rodrigues em um Festival da Canção destes. O disco é quase todo uma grande homenagem aos grandes nomes do Samba. Paulinho regrava Candeia, Nelson Cavaquinho, Cartola e Casquinha. Os arranjos são bem de acordo com a época, cheio de sopros e cordas, que não consegue abafar a beleza das composições.


Capa do Disco

Foi Um Rio que Passou em Minha Vida
Data : 1970
Gravadora : EMI

Comentário : EMI acabou de lançar em CD, com a capa original e remasterizado em Abbey Road. Enquanto o primeiro disco passou quase despercebido, este foi impulsionado pela música que dá nome ao disco, até hoje seu maior sucesso. Aqui Paulinho da Viola começa a criar sua própria linguagem dentro do Samba, renovando-o e expandindo-o. A versão em CD foi lançada com duas faixas extras: a histórica "Sinal Fechado", que foi regravada por Chico Buarque, e "Ruas que Sonhei".


Capa do Disco

Paulinho da Viola
Data : 1971
Gravadora : EMI

Comentário : Relançado em CD pela EMI. Este disco foi lançado para pegar o embalo no sucesso do disco anterior.
Imagine que você numa loja indo pegar o último exemplar do disco, vem outra pessoa e pega-o antes de você. Bata. Brigue. Grite. Esperneie. Faça qualquer coisa para levar este disco para casa, ele é um absurdo de bom. Não use argumentos pseudo-racionais do tipo posso comprá-lo amanhã em outra loja, será um dia a menos que sua vida que você passará sem ouvir esta obra-prima.
O disco tem a linda "Para Ver as Meninas" (depois regravada por Jards Macalé), num fantástico arranjo de cravo e caixa de fósforos. Além da filosófica "Filosofia do Samba"; o primeiro choro gravado pelo Paulinho, feito em homenagem ao violonista Canhoto da Paraíba: "Abraçando Chico Soares"; a bela "Num Samba Curto" gravada pela Maria Bethânea; e ainda um monte de delícias não muito conhecidas.


Capa do Disco

Paulinho da Viola
Data : 1971
Gravadora : EMI

Comentário : Lançado em CD com capa original e remasterizado em Abbey Road. Disco excelente tem músicas como a simpática crônica "Dona Santina e Seu Antenor" e a cativante "Para um Amor no Recife", que já foi regravada por Fafá de Belém, Zé Ramalho e Marina Lima. A mórbida e bela "Depois da Vida", de Nélson Cavaquinho, criou polémica na época do lançamento do disco.
O CD ainda tem como faixas bônus "Simplesmente Maria" e "Fotos e Fatos", que haviam sido lançadas previamente como um compacto.


Capa do Disco

Dança da Solidão
Data : 1972
Gravadora : EMI

Comentário : Lançado em CD com capa original e remasterizado em Abbey Road. Primeira das belas capas feitas pelo artista plástico Elifas Antreato. Sem dúvida um dos melhores discos do Paulinho. Um dos discos onde mais grava músicas de outros compositores como Wilson Batista (Meu Mundo É Hoje), Nelson Cavaquinho (Duas Horas da Manhã), Acontece (Cartola) e Monarco (Passado de Glória).


Capa do Disco

Nervos de Aço
Data : 1973
Gravadora : EMI

Comentário : Lançado pela EMI na Coleção 2 em 1 junto com o album de 1978 e agora com capa original e remasterizado. Neste disco leva o samba a locais nunca ido com músicas "Roendo as Unhas". Regrava grandes nomes como Cartola em letra premiada pela Academia Brasileira de Letras - "Não quero mais amar a ninguém;" - Wilson Batista em "Nega Luzia" e Lupiscínio Rodrigues numa gravação muito pessoal. Além da mórbida crônica "Comprimido" e o choro "Choro Negro" que já virou um standard do gânero. Um belo disco com a bela capa (clique na imagem para ver melhor) onde ele chora lágrimas brancas.


Capa do Disco

Amor à Natureza
Data : 1975
Gravadora : EMI

Comentário : Lançado em CD dentro da coleção Os Originais e agora relançado com a capa original e mais bem remasterizado. Muito antes da moda Paulinho fala de ecologia em "Amor à Natureza" e critica as mudanças comerciais sendo feitas no Samba no sucesso "Argumento". Um bom disco(o cara não consegue fazer nada ruim) apesar de não estar entre os melhores. A EMI não poderia deixar de fazer uma safadeza no relançamento do disco e adicionou o tema de novela "Pecado Capital" como faixa bônus. Falta de respeito com quem já havia comprado o disco na época de seu primeiro lançamento.


Capa do Disco

Memórias Cantando
Data : 1976
Gravadora : EMI

Comentário : Neste disco Paulinho homenageia o samba, cantando alguns dos que mais o influenciaram e gravando outros seus que remetem a suas memórias afetivas. Fez uma regravação mais intimista (e ainda melhor) da bela "Coisas do Mundo, Minha Nega". Outra música a se destacar é a política "Meu Novo Sapato", que chegou a provocar problemas com a censura. É sem dúvida um disco genial, sem dúvida um de seus melhores.


Capa do Disco

Memórias Chorando
Data : 1976
Gravadora : EMI

Lançado em CD remasterizado e com a capa original.
Neste disco que foi lançado junto com o outro Memórias Paulinho homenageia o Choro em um disco puramente instrumental. Um monte de choros compostos pelo próprio Paulinho da Viola, mais alguns do mestre Pixinguinha e uma pérola do Ary Barroso(?).
Sugiro que você não ouça o disco perto de uma pessoa que você odeie. O disco é tão bonito que voce pode acabar querendo fazer as pazes e afogar seu ressentimento. Paulinho diz que este é seu disco preferido.


Capa do Disco

Paulinho da Viola
Data : 1978
Gravadora : EMI

Comentário : Foi lançado em CD junto com o álbum Nervos de Aço dentro da coleção 2 em 1 relançado agora com capa original e nova remasterização. Belo disco com sucessos como "Coração Leviano", "Sentimento Perdido" e "Sofrer". Tem também a regravação de "Apoteose do Samba" de Silas de Oliveira.O choro "Sarau para Radamés" se transformou em um dos clássicos do gênero.


Capa do Disco

Zumbido
Data : 1979
Gravadora : EM
I

Comentário : Lançado em CD com capa original e remasterizado. Neste disco ele faz uma de suas críticas sociais em "Pode Guardar as Panelas", regrava uma das primeiras músicas que fala de maconha, "Chico Brito" de Wilson Batista e afirma a Negritude em "Zumbido" .


Paulinho da Viola
Data : 1981
Gravadora : WEA

Comentário : Este é o único disco solo do Paulinho que nunca foi lançado em CD, conserte isto WEA!. Este é um dos melhores discos discos do Paulinho, o primeiro que gravou fora da Odeon. Acredito que as faixas listadas não estejam completas.


Capa do CD

A Toda Hora Rola uma Estória
Data : 1982
Gravadora : WEA

Comentário : Lançado em CD na série 2 é demais da WEA, junto com o álbum Prisma Luminoso.


Capa do CD

Prisma Luminoso
Data : 1983
Gravadora : WEA

Comentário : Lançado em CD na série 2 é Demais da WEA, em um único CD com o álbum "A Toda Hora Rola Uma Estória", sendo esta a capa que aparece acima.


Capa do Disco

Eu Canto Samba
Data : 1989
Gravadora : RCA

Comentário : Lançado em CD. Belo disco em que mais uma vez se exalta o Samba em "Eu Canto Samba", regrava antigos compositores em "Não tenho lágrimas" e uma bela música de encomenda para um filme "Fulaninha".


Capa do Disco

Bebadosamba
Data : 1996
Gravadora : RCA

Comentário : Lançado em CD. Após 7 anos sem gravar Paulinho finalmente entrou em estúdio para gravar este maravilhoso disco. Uma exaltação ao samba de raiz. Não tem teclados nem farofada. Apenas poesia, ritmo e melodia. Várias músicas, como "Timoneiro", já estão sendo cantadas pelas rodas de samba.


topo

Músicas - Discografia - Pixinguinha


[Página Principal] | [Rio de Janeiro] | [Artistas] | [Tribuna Livre] | [Partituras] | [Pelo Brasil] | [Perguntas] | [Outras Informações] | [Discos do Mês] | [Sem Frames] | [Com Frames]

Copyright © 1996
Paulo Eduardo Neves
<BGSOUND SRC="sons/appaulin.wav">

OPTION>Estamos Noutra (P. da Vi€ ¯:  =  † Š =